Últimas notícias

.......PEDIMOS AOS VISITANTES QUE DEIXEM COMENTÁRIOS E NOS ENVIEM SUAS CONTRIBUIÇÕES (IMAGENS, VÍDEOS, POESIAS, TEXTOS, LINKS, ETC)......

terça-feira, 11 de dezembro de 2007

RUÍNAS


Um monge descabelado me disse no caminho:
Eu queria construir uma ruína.
Embora eu saiba que ruína é uma descontrução.
Minha idéia era fazer uma coisa com jeito de tapera.
Alguma coisa que servisse para ABRIGAR O ABANDONO,
como as taperas abrigam.
Porque o abandono não pode ser
apenas um homem debaixo da ponte,
mas pode ser também um gato no beco
ou uma criança presa num cubículo.
O abandono pode ser também de uma expressão
que tenha entrado para o arcaico
ou mesmo de uma palavra.
Uma palavra que esteja sem ninguém dentro.
(o olho do monge estava perto de ser um canto.)
Continuou:
digamos a palavra AMOR...
A palavra amor está quase vazia.
Não tem gente dentro dela.
Queria construir uma ruína para salvar a palavra amor.
Talvez ela renascesse das ruínas,
como o lírio pode nascer de um monturo.
E o monge se calou descabelado.
(MANOEL DE BARROS)

sábado, 3 de novembro de 2007

ARQUITETURAS RELACIONAIS

Exposição na FAUrb/UFPel
De 06 a 20 de novembro de 2007


PROGRAMAÇÃO PARA O DIA 06 DE NOVEMBRO
8:00 – Montagem da Exposição
(Saguão FAUrb/UFPel)

10:00 – Exibição de Vídeos SVP
(Saguão FAUrb/UFPel)

12:00 – Almoço no Pacho
(Rua Alm. Barosso)

14:00 – Conversa com os professores Maurício Polidori e Edu Rocha
(auditório FAUrb/UFPel)

15:00 – Exibição do filme: Ensuciarse la Lengua: idea para uma pelìcula
Tirana – Barcelona, 2004, Direção: Jorge Larrosa
(auditório FAUrb/UFPel)

18:00 – Abertura da exposição
(Saguão FAUrb/UFPel)

quinta-feira, 2 de agosto de 2007

CURSO WMM FAE/FAURB/UFPEL


dias 29, 30 e 31 de agosto
inscrições FAE/3o. piso dias 23 e 24 de agosto



quinta-feira, 31 de maio de 2007

MONTAGEM IMAGENS CONCEITUAIS






Exposição Fotográfica
IMAGENS CONCEITUAIS
SÃO LOURENÇO DO SUL
PROJETO IX - FAURB/UFPEL

De 29 de maio a 12 de junho de 2007
O Projeto arquitetônico e de desenho urbano realizado em São Lourenço do Sul, no bairro denominado “A Lomba”, vem buscando imagens conceituais para o desenvolvimento de seus projetos. O grupo vem produzindo uma série de imagens conceituais, a partir de desenhos, textos, fotografias digitais, colagens, assemblages, maquetes, performances e vídeos. As imagens conceituais são imagens que não admitem silêncio. São imagens que estão eternamente ligadas, o tempo todo, falando coisas sem sentido. São imagens que devassam. Como a voracidade do tubarão, assinalada por José Miguel Visnik, porque o tubarão não tem pálpebras. Então são imagens que ficam eternamente de olho aberto, ligadas. Essas imagens cartografadas são conteúdos para mapas conceituais e mentais, que em breve irão transmutar-se em mapas visuais, ou projetos. Precisamos fazer pensar. O que me faz pensar a arquitetura. O que? Como? Por quê? Para que? Onde? Quando? Quem? Daí emerge um conhecimento do sensível, de perceptos e afectos. Criando conceitos mais próximos da filosofia de Adorno - do não idêntico, do que não cabe a esquemas prévios, do que os da tradição intuicionista de Bérgson ou Husserl. Pretendemos pelo conceito, ultrapassar o próprio conceito. Assim como na arte conceitual de Marcel Duchamp, onde o conceito ou a atitude mental tem prioridade em relação a aparência da obra. Para Deleuze: Criar é ter uma idéia. É muito difícil ter uma idéia. Há pessoas extremamente interessantes que passaram a vida inteira sem ter uma idéia. Pode-se ter uma idéia em qualquer área. Não sei onde não se devem ter idéias. Mas é raro ter uma idéia. Não acontece todo o dia. Um arquiteto tem tantas idéias quanto um filósofo, mas não se trata do mesmo tipo de idéia. O arquiteto é uma pessoa que pode criar perceptos. Os perceptos fazem parte do mundo da arte. O que são perceptos? Perceptos não são percepções. Percepto é um conjunto de sensações e percepções que vai além daquele que sente. De certa forma um percepto torçe os nervos e podemos dizer que os impressionistas inventaram os perceptos. Cézanne disse uma frase que acho muito bonita: “é preciso tornar o impressionismo durável”. Ele quer dizer que o percepto adquiriu uma certa autonomia, ainda maior. É o que se pode chamar de afectos. Não há perceptos sem afectos. Os afectos são os devires, são devires que transbordam daquele que passa por eles, que excedem as forças. São potências. Isso é possível na arquitetura?

quinta-feira, 24 de maio de 2007

CÓMO HACER CINE

Alejandro Jodorowsky

PRIMERA LECCIÓN
Sentarse desde que amanece hasta que anochece frente a un árbol sintiendo la luz. Volver siete días seguidos y hacer lo mismo.
SEGUNDA LECCIÓN
Volver en la noche con una linterna e iluminar el árbol desde infinitos puntos.
TERCERA LECCIÓN
Colocarse a un kilómetro del árbol. Mirarlo fijamente y avanzar centímetro por centímetro hacia él hasta que después de algunas horas se tope la corteza con la nariz.
(Las dos primeras lecciones sirven para desarrollar el sentido de la luz. La tercera para desarrollar el sentido de la distancia.)
CUARTA LECCIÓN
Colocarse en un interior o paisaje y moverse pensando que el propio pecho fotografía, luego que la cara fotografía, luego el sexo, luego las manos.
QUINTA LECCIÓN
Ponte en un lugar y siente que eres el centro de él. Luego siente que estás siempre en la superficie alrededor del lugar. Al final rompe la idea de centro y superficie. Estás ahí, todo está en ti y fuera de ti al mismo tiempo. Eres aparte del lugar. Existe el lugar. ¡Tú has desaparecido!
SEXTA LECCIÓN
Busca el color en lo que no tiene color. Toma una página blanca y ve sus colores. Toma una página negra y ve sus colores. Ve los colores de un vidrio transparente. Descubre el arco iris en un pedazo de tierra, en un escupo, en una hoja seca. Expresa el color con materiales sin color. En verdad te pregunto, ¿sabes cuántos colores tiene la piel de tu cara?
SÉPTIMA LECCIÓN
Siente las yemas de tus dedos como si fueran la punta de tu lengua. Apoya las yemas en los objetos del mundo pensando que son frágiles, que la menor presión los puede quebrar. Pídeles permiso antes de tocarlos. Antes de apoyar los dedos en su superficie, siente cómo penetras en su atmósfera. Aprende a sentir y a acariciar con respeto. Cualquier acción que hagas en el mundo con tus manos o tu cuerpo puede ser una caricia.OCTAVA LECCIÓNPiensa que los actores viven dentro de un cuerpo como centro de una caverna. Pídeles que no griten con su boca, sino dentro de su boca. Que no expresen con la cara, sino que sientan debajo de la cara. cuando me desespero, desde adentro, doy puñetazos dentro de mi pecho que está inmóvil frente a la cámara. No me expreso con movimientos, sino con vibraciones. Vivo debajo de la superficie. La superficie del río no se mueve, pero tú sabes que lleva corrientes profundas.
NOVENA LECCIÓN
No importan los movimientos de la cámara. Ella debe moverse sólo cuando no se puede quedar quieta. Tú llevas el alimento en la mano. La cámara es un perro. Hazla que con hambre siga al alimento. El hambre hace que el animal se borre. No hay perro, hay hambre, no hay cámara. Hay acontecimientos. Nunca te puedes comer la manzana entera en el mismo instante. Tienes que dar mordiscos. Mientras comes tienes una parte. Debes saber que el trozo que mascas no es la manzana entera. Nunca puedes tener la manzana entera en la boca porque por muy grande que sea tu boca, no puede caber en ella el fruto que es parte del árbol ni el árbol que es parte de la tierra. La pantalla es tu boca. Allí entran pedazos. Partes del accidente. No intentes trabajar con tomas absolutas. No creas que existe la toma mejor. A la manzana la puedes morder en cualquier sitio. Si la manzana es dulce, no importa por dónde empieces a comerla. Preocúpate de la manzana, no de tu boca. ¡Cineasta! Antología de fragmentos, tú también un fragmento; tu película inconclusa, eres parte, eres continuación. No hay cierres. Mata la palabra fin. Empezarás una película el día en que te des cuenta que simplemente continúas. No busques el prestigio. Desdeña los efectos. No adornes. No pienses lo que la imagen va a producir. No la busques. Recibe las imágenes. La caza está prohibida. La pesca permitida.
DÉCIMA LECCIÓN
Nunca trabajes en el papel tus movimientos de cámara. Llega a los sitios pensando que no vas a mover la cámara, que no vas a iluminar, que no vas a inventar. Llega vacío, sin la menor intención. Echa a andar el motor de la cámara y vive. No crees escenas, crea accidentes. Esos accidentes no los crees en dirección a la cámara. Tú no estás haciendo una película, estás metido en un accidente. Parte del accidente son tus movimientos de la cámara.
DÉCIMO PRIMERA LECCIÓN
Y de pronto el gran placer. Una toma pensada con la cámara opinando con luz artificial, con "Actuaciones" (¡un verdadero postre!).

En verdad te digo, por este camino puedes llegar a hacer películas de Hollywood de los años 40. si quieres ser un gran cineasta de vanguardia, vuelve a filmar "Lo que el viento se llevó", exactamente igual, con actores de cuerpos gemelos a los de Clarck Gable y Vivien Leigh. Si logras que tu películas no pueda distinguirse de la original, has pasado a la historia.

PUBLICADO ORIGINALMENTE EM:

quarta-feira, 23 de maio de 2007

IMAGENS CONCEITUAIS


Exposição Fotográfica

FAURB/UFPEL DE 29 DE MAIO A 12 DE JUNHO DE 2007

ALUNOS DA DISCIPLINA DE PROJETO DE ARQUITETURA IX

terça-feira, 22 de maio de 2007

CEGOS DO MUNDO

Gabriel Fernandes

Diante da dor que já vi
Sussurros, choros e lagrimas
Pergunto para ti que és sábio
Que usa razão,
Aquela sem coração
Filosofo de flores de caixão
Como acabar com esse sofrimento?
A dor do mundo
Dar um alento?
São os africanos, os hospitais, a guerra do sangue negro
E o pior que tem mais
Torna o mundo até pequeno
O sábio respondeu
Feche os olhos
E só os abra quando for de interesse seu...
Até que um dia o sábio morreu
Os cegos sabem da dor
Á sentem
Por mais tarde que for.

quinta-feira, 17 de maio de 2007

DESTRUÍNDO CLICHÊS E FERIDAS: relato de uma experiência

Gabriela Fantinel Ferreira

Antes da pesquisa “Lugares do Abandono: roteiro para um filme da cidade de Pelotas” observava apenas clichês pelos lugares por onde andava ... Mas o que são clichês na vida urbana, no cotidiano??? Para entender isso, é preciso, primeiramente, entender o que clichê significa.
Segundo Deleuze os clichês são imagens fundadas em princípios de ação e reação, e que, diante disso, não percebemos o todo, mas sempre partes do todo. Poderíamos, então, fazer uma analogia onde as nossas vidas seriam filmes, nos quais nós seriamos os atores principais e as cenas desse filme os fatos e os lugares por onde estivemos durante a nossa vida; e ao relembrar, das cenas e dos cenários em que havíamos atuado, criássemos na nossa mente “trailers” desses momentos, pois só conseguimos absorver parte das cenas, e não o todo, pois não tivemos tempo de vivenciá-las e observa-las outras vezes e de outros ângulos. Com isso, poderíamos dizer que esses “trailers” do que vimos, vivemos e sentimos no nosso filme são os clichês. Os clichês são os elementos que nos causam uma reação imediata, por serem, para nós, mais óbvias; e justamente por isso tornam-se clichês.
Logo, com a idéia de clichê em mente e trazendo-a para o contexto da experiência com o abandono nos diversos locais por onde ando, posso sentir uma mudança na minha percepção do entorno, da cidade, do mundo, dos lugares. Agora não sou indiferente a essa realidade, tudo é percebido, analisado, captado e capturado pelas lentes da minha câmera, que, muitas vezes, é apenas a câmera da minha mente; assim, fico analisado tudo que acontece nas ruas, nos prédios, nas estradas, nos campos, tudo se torna motivo de reflexão.
Poderia dizer que estou buscando destruir os meus clichês, no que diz respeito ao abandono. Ah.. e como existem clichês nas ruas.. não é verdade?! As pessoas ignoram tudo que pode lhes causar desconforto, como um indigente, o lixo nas ruas, os prédios históricos que estão prestes a desabar, as ruínas, uma arquitetura feia, o descaso com a cidade, os prédios abandonados, os animais famintos, o esgoto, as depredações, entre tantas outras coisas.
Esses abandonos são feridas, as feridas que as pessoas não querem ver, mas sim fazer de conta que elas não existem. E essas feridas são os lugares, as arquiteturas de onde podem brotar novas vidas, as quais estão morrendo, devido ao descaso das pessoas; essas feridas estão dadas ao acaso. Os indivíduos estão tão absortos no seu mundo, nas suas tarefas e desejos, que não são capazes de perceber o que se passa ao seu redor; muitos andam pelas ruas sempre pelo mesmo caminho e nunca perceberam que nesse trajeto tinha um prédio abandonado, um terreno baldio.. elas simplesmente caminham em direção ao seu objetivo, só enxergando o que querem ver.
Como ser indiferente a tanto abandono, em todo lugar existe alguma forma de abandono, e nós somos os agentes diretos ou indiretos de todo esse caos. O mundo, e não só as ruas das cidades, estão abandonados ao acaso e se tudo continuar assim chegará o dia em que só existirá o abandono, as feridas.
Ao realizar essas viagens a alguns locais da cidade de Pelotas percebi que nunca havia reparado em tantas coisas na minha cidade, como eu era bitolada!!! Mas mesmo hoje tendo um olhar crítico para o entorno, muitas vezes, é preciso ver e rever esses locais para sentir outras coisas, por isso a importância dos vídeos existirem e serem editados por nós com visões diversificadas. Cada indivíduo tem um jeito de ver o mundo diferente do dos outros e, muitas vezes, nós mesmos temos idéias diferentes do que as que tivemos anteriormente.
Na verdade, acredito que as imagens falam mais do que as palavras, porque nelas tudo é revelado e são formadoras de opiniões, pois deixam o observador livre para sentir o que se passa nelas. Diante isso, acredito que sejam muito importantes esses registros ocorrerem em forma audiovisual, pois mostram o movimento, a inércia, os sons – só seria mais perfeito se revelassem os odores também - enfim tudo o que acontece, e estão à disposição do observador quantas vezes ele achar necessário perceber, sentir, refletir, criticar etc.
Hoje observo: as ruínas, as plantas que brotam dela – como a natureza é complexa, forte e capaz, pois sempre que vejo isso fico pensando como é possível uma figueira brotar em uma rachadura de um prédio e a sua raiz ir buscando água, não importando o quão longe e de difícil acesso ela esteja? Como algo tão abandonado, sem vida como um prédio em ruínas, pode possuir tanta vida, tanta natureza brotando, literalmente, das suas entranhas? Observo, ainda, as pessoas, como suas reações e atitudes diante do abandono; os animais, por onde andam, o que comem, como sobrevivem abandonados; o lixo, principal reflexo do descaso dos agentes, da falta de educação, da péssima cultura da população - maioria não se preocupa com a sujeira da cidade-; os prédios depredados, sujos, sem manutenção; as calçadas, repletas de obstáculos para as pessoas, e a falta de acessibilidade para os portadores de necessidades especiais, outros abandonados pela sociedade; enfim são tantos os tipos de abandono que pode-se dizer que, possivelmente, sempre se pode descobrir uma nova forma de abandono e mais uma maneira de destruir o obvio, o clichê.

segunda-feira, 14 de maio de 2007

1 ENCONTRO GALPÕES NA UNIVERSIDADE













Gostaríamos de agradecer a todos pela presença e participação no, 1 ENCONTRO GALPÕES NA UNIVERSIDADE, realizado no último sábado, em especial aos presentes:

Nilton Fischer, Paula Alquati, Tatiane Nogueira, Solaine Gotardo, Janaina Guerra, Camila Bernanrdelli, Paulo De Mori, Sayonara Guaresci, Liliana Scopel, Larissa Carli, Sandra Dalfono, Eduardo Taufer, Ângela Ungaretti, Clarisse Gonçalves, Alexander Webber, Bruno de Mello, Márcia Cançado, Clarissa Aguiar e Beatriz Dorfman e Giovana Santini.

Em breve, lançamento de publicação com textos enviados para o evento.

POR FAVOR DEIXEM SEUS COMENTÁRIOS E SUGESTÕES PARA UM PRÓXIMO ENCONTRO AQUI NO BLOG.

sexta-feira, 11 de maio de 2007

ABERTURA DA EXPOSIÇÃO 'ESPIANDO A PAISAGEM DE PELOTAS'



DE 09 A 23 DE MAIO NA FAURB/UFPEL. PELOTAS. RS.

A EXPERIÊNCIA DO OLHAR

Manoela Py Sostruznik

Participar da pesquisa “Arquiteturas do Abandono: roteiro para um filme na cidade de Pelotas” excita a forma de perceber a cidade, a paisagem urbana e todos seus correspondentes de uma outra maneira, distinta da que vinha acontecendo até então.
Analisar os territórios, as fronteiras, os usuários-agentes, os usuários-não agentes, os sons, os ritos, os mitos de cada espaço faz aguçar os sentidos e as reflexões diariamente. Faz perceber o ocupar e desocupar de cada “cenário” urbano existente, as relações mutualísticas entre humanos e seus lugares e não-lugares.
A prática da pesquisa, do espaço que compreende a Praça Coronel Pedro Osório e seu território de abrangência, ou seja, viagens em busca de registros que traduzissem o nosso olhar sobre o lugar de forma fílmica não foram muitas em formato de grupo. No entanto foram o suficiente para “fisgar” a percepção sobre aquele espaço constituído e desconstituído simultaneamente. Uma nova experiência de olhar fixou-se, de forma que sair em busca de pichações, janelas vedadas, tijolos no lugar de portas, árvores em telhados, telhados destelhados, lixo, calçadas mal tratadas, bagas de cigarro, árvores caídas, homens caídos, é o que acontece hoje. Saio em busca de imagens que traduzam um novo olhar criado sobre limites territoriais pelos quais circulo.
Alguns percursos são cotidianos, rotineiros, outros crio por curiosidade para descobrir novos territórios. Estes são diferentes, mas são iguais, eles se interseccionam nas semelhanças dos diferentes, esta diferença que instiga, pois esta fora da normalidade convencionada, a diferença de ser abandonado que o exalta, que questiona, que cria a reflexão.
Muitas das viagens pelos territórios não são registradas de forma que outros possam ver o que percebo, mas já é possível descrever a existência dos lugares e suas peculiaridades, já se percebe as cores e os sons característicos de cada volume determinado.
Esse olhar distinto, não mais anestesiado e conformado, olhar que busca o singular, que busca respostas, olhar que registra o que muitos não vêem, pode acontecer em qualquer local do planeta, sempre haverá os territórios, seus agentes, suas especificidades, e tudo vai formando uma teia de relações indiretas correspondentes, e assim uma poesia escrita no Centro Histórico de Santos-SP, pode vir a traduzir essa percepção atual da paisagem urbana de Pelotas ou de qualquer lugar que se busque o abandono.

“ladrão de lâmpada é filho de vaca”
São paredes sem luz
É a um escuro que conduz
Tem cheiro de resto de galinha
Tem cheiro de resto de comida
Tem cheiro de resto de alegria
É cinza o asfalto, o ladrilho ali na esquina
É cinza a barba daquele
Que vi na quina
Tem casa na calçada
Tem árvore no teto da casa
Tem gente deitada por todo canto
Tem história de vida e muito pranto
É o barco, o trem, a bicicleta, o carro
Que passa por estes lados
Tem gente nova que chega e percebe
O que por aqui fica?
“o ladrão de lâmpada que é filho de vaca”?
Ou um novo projeto de vida?

(Santos - São Paulo,manhã de 09/01/07)

Que mais pessoas possam experênciar um novo olhar sobre a cidade, que consigam perceber suas barreiras, sua fronteiras, seus traumas urbanos e consigam se perceber como agentes diretos dessa paisagem em constante modificação.

quinta-feira, 3 de maio de 2007

quarta-feira, 2 de maio de 2007

ESPIANDO A PAISAGEM DE PELOTAS



















EXPOSIÇÃO FOTOGRÁFICA

FAURB/UFPEL

de 9 a 23 de maio

ARQUITETURAS DO ABANDONO: OS AGENTES DA ARQUITETURA

Paula Alquati e Papola Calderòn

A temática do abandono da arquitetura é algo transcendental, que toma proporções que extrapolam o espaço físico e se manifestam de maneira psicológica e social no espaço da cidade. Um espaço de abandono é mais que um espaço de exclusão, é um loco de reprodução de uma postura social calcada em carências. Carência de espaços de qualidade, carência de cuidados, carência de estrutura, carência estilística, entre outras.
É nesse contexto de carências que aparecem os agentes do abandono. Os agentes são os responsáveis diretos ou indiretos para que esse abandono se produza e se reproduza no contexto da cidade.
A arquitetura se consolida numa via onde, por um lado, é construída por pessoas, com a finalidade de abrigo e bem estar social. Por outro, se consolida como uma relação dicotômica, ao passo que ao mesmo tempo em que se ampliam os estoques construídos, se amplia a exclusão social na cidade, se amplia o número de abandonados. Abandonados pelas políticas públicas, abandonados pela vida privada; pessoas sem rumo, sem chão, que vivem às margens do convencionalmente aceito, às margens de nossa arquitetura.
Mas abandonado, marginal, também é tudo aquilo que não aceita as regras da cidade; também é aquele que não se adapta, que subverte as leis e a ordem; que não se encaixa nas duras posturas do convencional, o liberto das convenções.
Nesse sentido, surge uma arquitetura das margens, uma arquitetura que deve ser desbravada, entendida, conceituada. Que deve deixar de ser invisível e partir para o conhecimento de todos.
A arquitetura do abandono nos reflete em feridas da cidade, em lugares e pessoas esquecidas, relegadas, algo que vemos, mas não enxergamos, algo que os sentidos acostumaram-se a ignorar, como algo invisível na paisagem, parte de uma vida que não se percebe.
Além disso, ela faz parte das construções efêmeras da cidade, daquilo que é passageiro, transitório, que está fora de lugar. Ela e seus agentes.
A partir da cartografia, é possível analisar esses fenômenos que fazem parte da construção social da cidade, a partir de uma observação que com ela interage, quase devorando-a. A cartografia estuda o território, porém não como um algo restritamente geográfico, segundo Deleuze, território compreende a idéia de espaço, mas não consiste na delimitação objetiva somente de um lugar geográfico. O valor do território é também existencial, ele circunscreve, para cada um, o campo do familiar e do vinculante, marca as distâncias em relação a outrem e protege do caos. O território distribui um fora e um dentro. O território é uma zona de experiência.
Cartografando certas zonas da cidade a partir de recursos áudio visuais, é possível registrar as o abandono de diversas formas. Visualizar as pessoas, os animais, toda aquela porção viva e não estática que também faz parte do território e que está ali todos os dias interagindo com ele. Um território vivo ou agonizante, claro ou escuro, relegado, mas sem que se perca a esperança que um dia isso ressurja, tome força, reviva no seio da sociedade, tome força.
A partir dessas análises e registros áudio visuais, é possível transformar o abandono em arte, em cultura, em algo forte, pesado, onde é possível lançarmos o olhar e questionar, estranhar, querer mudar ou perpetuar de vez essa porção esquecida do olhar animal.

ABANDONO: FENÔMENO URBANO

Tatiane Nogueira

Fenômeno urbano? O abandono parece ser mais do que um fenômeno arquitetônico ou urbano. O abandono se espraia entre os tais campos tão distantes no dia-dia da maioria dos arquitetos: arquitetura, paisagismo, urbanismo. Edifícios apresentam sinais que parecem contaminar abrangendo uma escala maior e conferindo toda uma paisagem característica. Nos lugares do abandono os três vértices são uma mesma coisa. Confundíveis. É uma arquitetura sem limites, sem contornos, sem agente determinado ou único, mas essa arquitetura está lá. Pouco discutida, pouco entendida. Parece morta, mas tem vida nos vestígios de vegetação que brotam nela!
Essa arquitetura renegada também nos desperta pela sua beleza. Em um processo de conhecimento desses lugares passa-se do feio, pelo medo, a insegurança, a incerteza, a curiosidade, a novidade, e passa-se a encontrar beleza nas fotos, nos vídeos... Se não é beleza, é talvez um sentimento mais profundo ainda, que nos toca mais fundo que um belo projeto de arquitetura. Tem consigo um apelo emocional. Essa arquitetura é de todos nós e não tem dono. É feia e bela. E sentimos curiosidade de olhar através de muitas cascas vazias. Para encontrar o quê? O que procuramos na arquitetura? O que criamos com a arquitetura?
O fenômeno dessa arquitetura que não parece ter fronteiras, atinge diversas escalas, diversas formas, diversos lugares... Existe alguma cidade em que não vejamos sinais de abandono? Será que esses espaços são elementos das cidades? Será que as relações sociais das cidades geram sempre espaços do abandono?
Uma sensação de descaso, de desapego,... E, ao mesmo tempo, de liberdade. Lugares os quais aspecto visual nos parece transmitir uma sensação de que não é seguro, mas que ao mesmo tempo provoca uma liberdade que permite agir, pichar, quebrar, sujar,...
O estudo dessas arquiteturas leva a uma visualização estreita das implicações da arquitetura com a sociedade, o ser humano, a vida... O que é certo ou ideal? Existem conceitos ou implicações da arquitetura que ainda fogem o nosso conhecimento? Nesse sentido esse estudo levanta um olhar questionador do arquiteto sobre a sociedade, sobre a sua atuação, sobre as conseqüências do que estamos criando.
A arquitetura, o mundo, criou não só o ambiente construído em que vivemos, mas também conceitos. Conceitos do que é bom, do que é bonito, do que é certo. E o que não se encaixa nestes conceitos é feio, é ruim e é pobre. São imagens, são clichês, que persistem tão fortemente na nossa cabeça e que parecem justificar um olhar tão assustado, estranhado, sobre essa arquitetura do abandono e que nos levam, como agentes criadores deste meio, a repensar...

terça-feira, 1 de maio de 2007

RELATO DE UMA EXPEDIÇÃO AO ABANDONO

Juliana Plá

E foi assim, com o trajeto marcado, as armas com pilhas que saímos. Caminhamos em busca do território desconhecido. Em busca da fronteira que poucos ousam atravessar ou diluir. O intuito não era destruir, e sim tomar posse, conhecer, sentir; saber o porquê.
As dúvidas surgiam junto com o medo, afinal ali é o desconhecido, será terra de ninguém? E se o ninguém não gostar dessa ilustre visita. Não, não pode, afinal nós somos os descobridores, nós possuímos o conhecimento, nós e toda uma montanha de gente que simplesmente usa, que suga, o que pode e que como animais coleciona sensações e memórias de mais um estar na sociedade.
Bem, a missão era clara, mas a linha de chegada não. Perguntar não adianta, é muito subjetivo. Subjetivo, esta é a resposta, sentir o troféu, este seria o radar.
Então começamos, mas só o sentir? Bom quem sabe então algumas regras... Ok!
Primeiro, nada de agentes, segundo devem existir objetos sem dono, alguma coisa que niguém gostaria de ter e terceiro o tempo não deve reinar. Pronto, agora vai...
Achamos. O nojo e a admiração por aquele universo são sensações bem presentes. E como descobridores que somos, domamos o bicho e sem perder tempo o exibimos, NÚ. Não havia mais o berço que o tornava palpável. E assim todos o possuíam e o admiravam, inclusive teorias sobre sua existência surgiram e foram aplaudidas.
Bem, missão cumprida.
Mas e se... e se.. Não tudo errado!
O que foi que nós fizemos então? Começa outra expedição, mas agora sem caminhadas físicas, somente as do consciente e como convidado o inconsciente.
Vamos analisar. Por que ele é o que é, e aquele não é? As regras estão confusas agora. Por que usar uma única medida para classificação? Vamos mudar a escala.
Nada de agentes, mas que agentes? Os próximos a mim, é claro. Pois bem quando eles deixam o espaço, este é tomado por seres ditos não agentes, termo esse destinado àqueles que não vestem as ordens do social, são maltrapilhos. Mas, e se eles tiverem suas próprias vestes? Então são agentes. Sim, agentes. Pois bem como agentes formam regras, se formam regras formam mundos, mas onde? No bicho, no ABANDONO.
Huuum... se eles formam eles possuem, pois bem a primeira e a segunda regra acabam de ir por água a baixo. Mas ainda existe a do tempo, sim, nem tudo está perdido... até porque me lembro de ter chegado lá e enquanto estava lá ouvi sons estranhos, senti um cheiro desconhecido. Mas nada de tempo!
É nada de tempo.
Mas se enquanto eu estava lá aconteceram coisas... puts, existe o tempo! É já era.
O abandono não existe. Mas então, por que a lenda?
A resposta é simples e a encontrei em um texto de um arquiteto: “[...] esse processo doentio e viral que obriga o homem a mutilar sua visão cegar-se ante a impotência de ajudar ao próximo, de mudar as coisas, o mundo” (FUÃO, 2006).
Ainda podemos completar com outro fragmento poético: “O lixo não era o fim da vida, mas o seu recomeço. Ele parecia demonstrar que a vida não tem fim. O lixo nunca era o fim. Dali a vida recomeçava, organizava-se novamente” (MONTENEGRO, 2007).

sexta-feira, 27 de abril de 2007

CURSO DE ESQUIZOANÁLISE E PRÁTICAS SOCIAIS E INSTITUCIONAIS

Grupo de pesquisa em Educação e Contemporaneidade: experimentações com arte e filosofia - EXPERIMENTA, coordenado pela Profa. Dra. Carla Gonçalves Rodrigues (UFPel) e Profa. Dra. Cynthia Farina (CEFET-RS), promoverá o seguinte curso em Pelotas:




ESQUIZOANÁLISE E PRÁTICAS SOCIAIS E INSTITUCIONAIS


OBJETIVO

Estudar os modos de subjetividade contemporânea e
Construir meios de transformar as práticas cotidianas no trabalho, educação e saúde, contando com os teóricos da esquizoanálise.

PROGRAMA:
Deleuze e Guattari: os fundadores da esquizoanálise
Subjetividade contemporânea
Análise e intervenção micropolítica
Desejo e produção
O conceito de rede e a promoção de redes sociais
A noção de rizoma para a compreensão da subjetividade
Cartografia nas práticas sociais e institucionais
Análise de práticas sociais e institucionais
DATAS E HORÁRIOS
O curso terá a duração de 24 h/a, será desenvolvido em dois encontros nas sextas-feiras das 19 h às 22 h e nos sábados das 8h30min às 12 h e das 13 h às 16h30min nos dias 15 e 16 de junho e 22 e 23 de junho de 2007, no CEFET-RS, em Pelotas.

PARTICIPANTES
No mínimo 20 e no máximo 25 profissionais e estudantes de diferentes áreas que necessitam deste conhecimento para o desenvolvimento de suas atividades. O número inferior a 20 participantes inviabilizará a realização do curso.

Os alunos receberão antecipadamente os originais dos textos com o conteúdo do curso para leitura prévia. A cópia destes originais será de responsabilidade de cada participante. Será fornecido certificado aos participantes que comparecerem a no mínimo 75% dos encontros e realizarem a atividade de conclusão do curso.


DOCÊNCIA E COORDENAÇÃO
Psicóloga Nelma Campos Aragon (CRP-07/1829), UFRGS/81, Especializada em Psicologia Social (PUC/86), Mestre em Psicologia do Desenvolvimento (UFRGS/96). Responsável pelo Instituto de Psicologia Social de Porto Alegre Pichon-Rivière, docente e coordenadora de grupos de formação, supervisora de trabalhos grupais e institucionais, analista institucional e psicoterapeuta individual e grupal.

INVESTIMENTO
120,00, sendo 60,00 no primeiro encontro (15/06) e cheque pré-datado no mesmo valor (60,00) para a data do último encontro (22/06).

Maiores detalhes com Liana Corrêa: lianasc@brturbo.com.br; liana_sc@hotmail.com ou 9125 2405.

sábado, 14 de abril de 2007

1º. ENCONTRO: GALPÕES DE RECICLAGEM NA UNIVERSIDADE

DIA 12 DE MAIO DE 2007 (sábado)
LOCAL:
Faculdade de Arquitetura
UFRGS
Rua Sarmento Leite, 320 /201
Porto Alegre/RS
Tel / Fax: 55 51 3308-3485

DESCRIÇÃO:
Divulgar, mediante relatos, artigos e dialogos, as experiências e relacionamentos entre Universidade, Recicladores, Ong's participantes do Grupo de Pesquisa(CNpq): 'Galpões de Triagem: arquitetura, educação e design".
É desejo avançarmos nos temas propostos para o encontro, procurando ultrapassar e reler os discursos acadêmicos tradicionais, e assim progredindo de forma ‘científica’ em nosso campo de estudos.

PROGRAMAÇÃO:
MANHÃ
8:30 as 8:45
Abertura do evento.
8:45 as 10:30
Relatos de Experiências: apresentação de trabalhos de pesquisa e extensão realizados na Universidade, com o apoio de Ong’s, sobre as temáticas galpões de reciclagem, catadores e outros relacionados.
10:30 as 10:45
Pausa para café.
10:45 as 12:30
Relatos de Experiências: apresentação de trabalhos de pesquisa e extensão realizados por Ong’s e universidades sobre as temáticas relacionadas aos galpões de reciclagem, catadores e outros relacionados.
ALMOÇO
12:30 as 14:00
TARDE
14:00 as 15:30
Reunião de grupos de trabalho e temáticas: envolvendo catadores , representantes dos galpões de triagem, universidades, Ong’s
15:30 as 16:30
Apresentação dos relatos dos grupos de trabalho.
16:30 as 17:00
Contribuições finais.

GRUPOS DE TRABALHO sugestões:
Pedimos sugestões para a organização de grupos de trabalho e temáticas.
Temáticas provisórias:
1. O papel da Universidade nos galpões. O papel dos galpões na universidade.
2. O preparo e despreparo da Universidade.
3. Produtivismo x não produtivismo.
4. Relações entre os parceiros: catadores, estudantes, Ong’s e professores, coordenadores.

ENVIO DE TEXTOS para publicação:
Pedimos aos convidados que enviem textos relacionados as suas pesquisas e apresentações até a data de 30 de abril de 2007, para:
amigodudu@pop.com.br ou f.fuao@terra.com.br
As imagens (preto e branco) podem ser anexadas aos textos desde que sejam imprescindíveis ao seu entendimento e desenvolvimento. Não serão aceitas imagens meramente ilustrativas.
Os participantes podem enviar mais de um texto para publicação, tendo apenas um espaço de 15 minutos para o relato de suas experiências.
Os textos deverão vir com as devidas correções ortográficas.
O texto deverá ter um mínimo de 10 e um máximo de 30 páginas (padrão A4) e serão publicados em sua integra.

COMISSÃO ORGANIZADORA:
Organização, convites e programação: Fernando Fuão e Eduardo Rocha.
Execução (equipamentos e materiais): Beatriz Dorfman, Daniela Cidade e Ângela Ungaretti.
Almoço: Giovana Santini e Gládis.
Preparação, edição e publicação do material escrito: Marcelo Kiefer, Camila Bernadelli, Fernanda Nunes Schaan, Eduardo Rocha e Fernando Fuão.

quarta-feira, 28 de março de 2007

IMAGENS DESTERRITORIALIZADAS: ruínas como primeiro-plano

FALA DA PROF. ANDREA MORELLI SCHÖNHOFEN
CICLO DE ESTUDOS: 'ARQUITETURA ANIMAL: territórios e fronteiras' DIA 20/04/2007 - FAURB/UFPEL VEJA AQUI VÍDEO APRESENTAÇÃO
http://video.google.com/videoplay?docid=377629749078062369

segunda-feira, 26 de março de 2007

ESPIANDO A PAISAGEM DE PELOTAS



EM BREVE EXPOSIÇÃO FOTOGRÁFICA NA FAURB:
"ESPIANDO A PAISAGEM DE PELOTAS"


A cidade é suporte para vivências. Através dela nos locomovemos, nos comunicamos, atuamos. É na paisagem da cidade que deixamos a marca do tempo, através da arquitetura, através da arte, através da conformação urbana.
A análise da arquitetura de Pelotas, através da observação dos diversos olhares sobre uma mesma paisagem possibilitará ao observador apreender as inúmeras vivências para as quais a cidade é o suporte físico.


quinta-feira, 22 de março de 2007

ETERNO CANTO











Gabriel Fernandes, 2007

Do tudo ao nada
Do homem ao pó
Da risada sadia
A carne podre
(paladar), fedia (olfato)
Da luta insana
Da vida profana
Hoje se
encerra
É lapide que sela
Pedra dura (tato)
Fria
Separa os anos
de minha agonia
E assim passam os anos
Olho (visão)Tua foto, teu nome
mesmo canto
E eu ainda
Só rezando
Eterno canto
(audição).

quarta-feira, 21 de março de 2007

INTEN-CIDADE ANIMAL: arte contemporânea e território

FALA DA PROF. CYNTHIA FARINA
CICLO DE ESTUDOS:
'ARQUITETURA ANIMAL: territórios e fronteiras'
DIA 20/04/2007 - FAURB/UFPEL
VEJA AQUI VÍDEO APRESENTAÇÃO http://video.google.com/videouploadfinished?docid=6522682705528373286&cid=e2b0fc403e7962a4

domingo, 18 de março de 2007

ANOTAÇÕES SOBRE ARQUITETURAS DA DIFERENÇA

FALA DA PROF. CARLA GONÇALVES RODRIGUES
CICLO DE ESTUDOS:
'ARQUITETURA ANIMAL: territórios e fronteiras'
DIA 13/04/2007 - FAURB/UFPEL
VEJA AQUI VÍDEO APRESENTAÇÃO

quarta-feira, 14 de março de 2007

SOB VIADUTOS

Fernando Fuão

" Não ter onde ir é uma forma de sempre chegar." Carpinejar

Pontes ou viadutos são elementos que conectam uma ideía a outra, um tempo a outro, transportam. São elementos que estabelecem ligações, laços. São passagens. O lugar do encontro, da travessia.
Diz a mitologia que elas são um simbolo que se expressa materialmente por sua horizontalidade, mas que tem um significado plenamente vertical. O plano da travessia horizontal, de um lado a outro, define o passado, presente e futuro. O plano vertical define a travessia transcendental do ser. O acima: refere-se ao ascendente, ao celestial, e o abaixo: o descendente, os planos inferiores, o proprio inferno.
A ponte, o viaduto ou a escada equivalem exatamente ao pilar axial que une o céu a terra, e os diferenes estados do ser. É por eles que se dão as comunicações a passagem das mensagens e a circulação no espaço.
Os viadutos estão impregnados dessas mitologias, dessas falsas crenças, desses conceitos negativos. A sociedade em geral teme o que se encontra ou se aloja sob eles que nem chegam perto. Infelizmente acreditamos que os seres que habitam em sua parte inferior estão em niveis inferiores em todos os sentidos da existência e dos estados da alma. Mas é tudo ao contrário.
Quanto mais me aproximo desses espaços mais me surpreendo com suas potencialidades e revelações. Muito me debrucei sobre eles para pensá-los, cheguei a comparar as pontes a figura de São Cristovão, a metáforas, e até mesmo fiz a analogia com a cola na collage como aquele elemento que conecta um espaço ao outro, uma figura a outra, o lugar dos encontros.
Ví os viadutos como a solucão aos transportes dos abismos, dos canyons. Acho que sempre vi as pontes lá de cima, de sua superioridade, ou melhor: sua superficialidade. Sem nunca descer aos abismos antes, nunca pude sua verdadeira dimensão, sua profundidade. Curiosamente a simbologia sobre pontes e ou viadutos pouco ou quase nada fala das pessoas que vivem sob elas.
Minha formação de arquiteto também nunca me permitiu compará-las aos seres humanos, fazer das pessoas: pontes, seres que transportam, conectam. Enfim, mensageiros, aproximando-me ao que Michel Serres entendeu como os novos anjos.
Evidente que anjos não existem, mas as pessoas que vivem sobre as pontes ou embaixo dos viadutos sim, tal como os anjos eles possuem o atributo da universalidade, da collage, de agrupar fragmentos, reagrupar pessoas, formar comunidades e organizar esse (i) mundo, recolhendo e classificando o lixo da sociedade produtivista.
Essas pessoas "humanas demasiadamente humanas" entrecruzam o passado, o presente e futuro. Seu poder de sensibilizar a sociedade está exatamente em sua capacidade de unir o que foi separado pelo materialismo, de transpor as dificuldades os abismos.
O abismo é a erosão interminável da desumanização lavrada pela exploração do homem pelo homem, pelas forças capitalismo, pela barbárie interior. Enfim, esse processo doentio viral que obriga o homem a mutilar sua visão, cegar--se ante a impotencia de ajudar ao próximo, de mudar as coisas, o mundo.
Foi alí, sob o viaduto da Conceição em Porto Alegre no inicio de uma noite veloz, fria, muito fria de inverno, que vi alguns anjos entre os escombros de centenas de sacos de lixo, trabalhando frenéticamente sobre uma tênue luz incandescente. Foi alí, que me foi anunciada a Associação Catador Novo Cidadão e seu representante: Matias.
Sempre achei que era em sua parte superior, em sua superficie que se davam os encontros. Hoje, tenho apreendido mais embaixo deles, do que sobre ele. Mais uma vez elas me mostram algo novo, o inusitado.
Chamo esses catadores de anjos, mensageiros, não porque possuam algum vínculo religioso, ou algum atributo divino, mas porque conseguem de uma forma ou de outra viajar no tempo, transpor os espaços, as paredes e até as muralhas da Universidade.
Aparentemente, nada está fechado para eles, são moradores de rua, chegam sem ser esperados e proliferam-se na medida em que a enfermidade social se abatte sobre eles. Na realidade, tudo está fechado para eles, vivem na eterna exclusão, abandonados e seu território de atuação não passa mesmo de um campo de concentração.Mas o que anunciam esses novos mensageiros em sua rápida aparição? Anunciam a novidade, aquilo que os outros não conseguem ver: a revelação.
Em agosto de 2004, tivemos a satisfação de ter Dona Marlene articipando da Mesa Redonda sobre "Arquitetura e Cidadania" na Faculdade de Arquitetura (UFRGS), sua presença e seu depoimento foram contundentes para sensibilizar uma dezena de estudantes e alguns professores que alí se faziam presentes. Este evento foi o primeiro passo de uma longa caminhada que temos de percorrer para encontrar o real sentido de existir uma Faculdade Pública de Arquitetura. Acreditamos que, colocar no mundo arquitetos que só sabem projetar para as elites econômicas e culturais há muito perdeu o sentido. As faculdades só tem despejado técnicos, profissionais incapazes de refletir sobre sua propria condição profissional e principalmente do mundo que o cerca.
As Universidades grosseiramente tem produzido engrenagens para o sistema produtivista, soldadinhos intelectuais que continuam a reproduzir o sistema de inclusão e exclusão. Como disse a arquiteta Carolina Galeazzi, presente naquele momento: "Arquitetura sempre foi a arte do estabelecimento de relações ricas entre as N dimensões humanas dentro do ambiente. Um padre e uma catadora de lixo nos lembraram disso. Nas últimas décadas fizemos pouco mais do que achar a arquitetura de nossa cidade e de nossos colegas brasileiros um lixo. A catadora profissional Marlene da ACNC tem muito mais consciência do seu papel na cadeia humana produtiva e ecológica. A postura da nossa Faculdade de Arquitetura não é sustentável, ou muda ou fecha".
A representação desses mensageiros é rápida, seus corpos anunciam e denunciam tudo num piscar de olhos, sopram nos ouvidos as verdadeiras mudanças, e tornam a desaparecer. Na verdade eles vem para revelar-nos o avesso do mundo, a vida nua, que a maioria dos estudantes e professores desconhecem, e o fazem com uma dignidade que nenhum ser vivente é capaz de esquecer .
Matias cintila de idéias a cada amanhecer, sua consciencia social e ambiental se traduz em vários projetos, um deles é o projeto dos containers para organizar o lixo seco (garrafas, papeis, latinhas) do campus central da Universidade, que os catadores poderiam recolher depois. Mas a "universidade" está com suas portas lacradas ainda, não conhece o que é consciência ambiental, social. e muito menos de seu papel transformador. Ironicamente, tanto os alunos como os professores e funcionários ainda não apreenderam a separar o lixo, e de seu valor para os catadores.É hora de re-imaginar o papel da Universidade, de uma universidade sem condições, universal. A "univercidade" é cidade de todos e para todos.
Durante o segundo semestre de 2004, dentro da disciplina de Projeto 7, resolvemos trabalhar com uma "arquitetura sem condições", abrimos temas de relevância social para serem desenvolvidos pelos alunos como: cozinhas comunitárias, habitação para moradores de rua, albergues, abrigos, palafitas, creches, Galpões de triagem de lixo, e tudo isso para clientes de corpo e alma.
Ao final do semestre consideramos essa atitude uma grande vitória dentro de uma Faculdade que estava acostumada só a projetar museus, centro culturais, apartamentos duplex para o mecado imobiliario, entre outras "cositas" não muito dignas de serem citadas, para não ofender aos colegas.
Estavamos fechados em nosso mundinho preocupados muito mais com a aparência formal de uma arquitetura elitista, preocupados de estar ao par da moda artquitetônica importada, do que enfrentar a dura realidade que se vislumbra pelas ruas de nossa cidade principalmente com os catadores e seus carrinhos. Assim, resolvemos trabalhar efetivamente com clientes que necessitam de nosso trabalho mas não tem recursos para pagar.
É intolerável dentro de uma Universidade Pública não estimular essa cooperação, estudar esses problemas de uma forma séria. Nossos alunos e professores tem um compromisso social enquanto profissionais e educadores, e é enquanto presente dentro da Universidade que se pode dar essa contribuição.
Sob o viaduto protetor as coisas acontecem. Recentemente a aluna e pesquisadora Fernanda Schan, que desenvolvia o projeto para a Comunidade Catador Novo Cidadão (habitações, creche, cozinha comunitaria, galpão de triagem) juntamente com Michele Rainman e Daniela Vieira da Silva, em um terreno da Prefeitura Municipal de Porto Alegre, foi uma das vencedoras do Concurso Nacional da Caixa Economica Federal para moradia de baixo custo. Excluidos que catam, limpam, misturam-se na grande collage lixo, se impregnam da lixivia mundi.Esses são os verdadeiros anjos dentre os falsos anjos e deuses tecnologicos que nos apresentam a sociedade comunicacional do espetáculo.
É, o viaduro é o lugar da provação, mas também da provocação.As partes de baixo de todos os viadutos -esses espaços degradados, sem dominio, terra de ninguem, promotores da violência- como propôs lucidamente o querido Irmão Ceccin deveriam ser de uso público, destinados a projetos sociais de habitação, promotores de renda e resgate da dignidade dos moradores de rua.Uma forma de inclusão dentro da exclusão, uma forma de minimizar os campos de concentração que a biopolitica criou expulsando para as periferias os pobres, tal como acabou-se estabelendo os campos do 3ª e 4º mundo.Essa ocupação dos viadutos deveria dar-se como uma sacra estratégia de guerra: ocupando esses espaços vazios sinistros, minando suas bases e seus pilares de vida, renovando e recheando-os de humanidade, costurando suas margens e revendo os sentidos da cidade.
Devemos ter em mente que o arché da criação das cidades é a felicidade de todos os seus habitantes..É o viaduto que organiza, classifica, significa, reinventa o sentido da existência.Sua dupla função de piso e cobertura revela a lógica do sentido da exclusão.O temor que ele é um lugar horrivel e arrepilante evidentemente não ajuda a aproximar as pessoas que por ele passam, e talvez exatamente por isso que eles sentem-se seguros embaixo deles .O viaduto é o lugar atávico dos moradores de rua. Nele, os sem teto encontram seu teto, sua proteção. Nele, também acontece tudo de bom, ele é o abrigo, a morada, o trabalho, a festa e a celebração como tem provado esses ultimos meses a ACNC.
A sociedade joga fora toda sujeira, exclui aquilo que não quer ver nem sequer sentir seu cheiro, despeja nas periferia, ou esconde embaixo do tapete, ou melhor: embaixo do viaduto, tudo aquilo que é asquerosamente improdutivo, como o lixo, a poeira, o cinza. Não podemos esquecer que históricamente é o pobre, o miserável quem sempre lavou a latrina mundi do poder. E, entre lixo e miséria existe uma simbiose secular que deve ser rompida urgentemente nem que seja a força.Como disse Michel Serres: "Os mensageiros do terceiro e do quarto mundo: a miséria, revela-nos uma existência e um tempo fundamentais que a história jamais ensinou. Mais que pobres e indigentes, os miseráveis correm o risco de ver destruída, neles e ao seu redor, por esta terrivel agressão, a propria humanidade. Só se tornaria um homem aquele que enfrentasse o risco da destruição, nele próprio, da humanidade. O essencialmente humano é chamado arcanjo: arché significa de fato, o principio e o inicio. Nascidos da miséria, a ele voltaremos, todos." Viva as pessoas que trabalham sob as pontes, os que moram, e os que jazem sob elas. Esses anjos ultra, ultra modernos de asas de papelão, e que carregam dentro das garrafas PET, a mensagem do aparecimento de uma arquitetura nova, nua, verdadeira, sem afetação.

domingo, 11 de março de 2007

CHARQUEADA BARÃO DE BUTUÍ

Cíntia Essinger, 2006


Pude visualizar a antiga casa da charqueada do Barão de Butuí de três formas.
Meu primeiro olhar para sua beleza e seu abandono se deu através da margem oposta do arroio Pelotas, na antiga charqueada de Boaventura Rodrigues Barcellos. A casa amarela de Boaventura abre-se para uma espécie de prainha, um ancoradouro. Dali pude observar a Butuí, do outro lado, sozinha, abandonada, ensolarada. Lembro que me parecia mais bela do que só.
Outro dia, num passeio de barco pelas águas do arroio, o abandono me pareceu mais evidente. Uma parte do telhado, que eu não havia enxergado do outro lado do arroio, encontrava-se desmoronada. Mas a surpresa que ela causou durante o passeio, aparecendo de repente por entre a mata, logo depois de uma das tantas curvas que faz o Pelotas, ficou na memória de forma mais forte do que a visão triste de seu abandono e de seu declínio.
Então chegou o dia em que iríamos por terra ao encontro de Butuí. Tudo era incerto. A propriedade vaga não nos ofereceria ninguém que pudesse nos autorizar a entrar. Nem sequer sabíamos como fazer para chegar a ela... eu apenas sabia, por ter olhado na imagem de satélite, em que altura da avenida deveríamos entrar para uma estradinha de chão. Percorremos alguns quilômetros por aquela estrada, antes apenas observada na foto, e agora vista em sua plenitude de buracos e de pó. Chegamos a um local que faz exploração do terreno e retira areia para construção. Ninguém à vista. Parecia o fim do caminho... Um trator aproximou-se, nos causando um misto de medo com ansiedade... O rapaz nos explicou que poderia nos conduzir até a porteira, mas que o pessoal "de lá" não gostava que entrassem. Seguimos o trator. Depois de passarmos por uma estrada estreita, margeando a grande piscina que resta da atividade de retirada da areia, ele nos apontou uma porteira e disse que dali seguiríamos e acharíamos a casa. O motorista abriu a porteira, passou o carro e a fechou. O coração batia forte: veríamos afinal, de perto, Butuí. E batia também de receio: não havíamos avisado ninguém, e "o pessoal de lá" não gostava que estranhos entrassem por lá... Quase não havia estrada definida. Apenas nos guiávamos pelo capim mais baixo e pela clareira entre as árvores. Pareceu um tempo imenso desde a entrada na porteira até que por fim vimos o telhado da casa. Lá está! Paramos a uma certa distância. Descemos do carro procurando por alguém que viesse tomar satisfações. Ninguém. Silêncio total. Nem mesmo um cusco veio nos receber. Eu imaginava que a qualquer momento apareceria alguém insatisfeito com a nossa presença. Andamos em direção a casa. Tudo quieto. Tudo abandonado. Um anexo nos fundos, que supomos terem sido peças de serviço, estava desmoronado. Apenas percebíamos vestígios do que um dia havia sido. As portas e janelas fechadas, mas violadas. Espiando pela fenda na porta principal o flash da máquina revelou a casa vítima dos vândalos. As paredes completamente escritas, desenhadas e pixadas. Um resto de fogueira num canto, que marcou a parede e o piso. O piso de ladrilhos hidráulicos testemunhando seus antigos luxos. O assoalho do segundo piso em ruína.
A imagem da casa idealizada por todos nós estava sendo desfeita. O abandono e o vandalismo tornaram-na vítima do tempo.
Fotografamos a casa por todos os ângulos, como se quiséssemos mantê-la para sempre conosco. E fomos embora. Deixando-a para trás e criticando o abandono. Sentindo-nos impotentes perante o abandono que pouco a pouco nos deixa sem memórias.

UM PORTO ABANDONADO

Ricardo Calovi, 2007

Sou porto-alegrense, e já ligado á isto está o porto... já foi tão importante ao ponto de influenciar o nome da cidade. Teve o infeliz desfortunio de ver a cidade dar as costas para ele, como algo que ela quer esquecer um problema que não sabe resolver e simplesmente constrói um muro em volta. Sempre fui encantado pelo porto, seus galpões, sua linda Gare de ferro e vidro importados da França, seus guindastes enormes aos olhos de uma criança. Um abandono de dar dó, ao menos está relativamente preservado, mas o que poderia ser um atrativo... mas teima em ser esquecido. Protestos já foram feitos, o desejo da população é evidente em ter novamente em seu porto um lugar atraente e acessível. A mim, cabe fazer o meu protesto silencioso, que tenta usar a beleza do que ainda resta para lembrar do que estamos sendo privados por motivos, no mínimo, nebulosos. Assim fiz uma singela série sobre o abandono do porto e seus guindastes silenciosos. Um lugar simples, mas mesmo assim belo e tristemente esquecido e atualmente condenado á um descanso forçado atrás de um muro.

A CIDADE E SEUS CACHORROS

Eduardo Rocha, 2006


Posso ler a cidade por seus cachorros. Quero buscá-los, segui-los, ver onde estão, o que fazem e por onde se movem, passar a semana em sua companhia. Trago na mochila meus livros, meus pensadores, que se identificam com os cachorros. Porém, em seguida, vou abandoná-los. Contínuo fotografando cachorros. Antes de ir embora, conheço um homem e seu cachorro. Esse sim conheço através de um cachorro. O seu cachorro. Os cachorros na minha viagem voltam a estar sós. Já ninguém pensa com eles. Já não sou um ponto de vista sobre a cidade, senão uma coisa mais ou menos amável, ao redor da qual se trama qualquer das inumeráveis formas da banalidade.

quarta-feira, 7 de março de 2007

ARQUITETURA ANIMAL: territórios e fronteiras














CICLO DE ESTUDOS

LOCAL: AUDITÓRIO
FAURB/UFPEL
HORÁRIO: 18 HORAS (TERÇAS-FEIRAS)

PROGRAMAÇÃO:

13 DE MARÇO
ANOTAÇÕES SOBRE ARQUITETURAS DA DIFERENÇA
Prof. Carla Gonçalves Rodrigues

20 DE MARÇO
INTEN-CIDADE ANIMAL
Prof. Dr. Cynthia Farina

27 DE MARÇO
IMAGENS DESTERRITORIALIZADAS
Prof. Ms. Andréa Morelli Schönhofen

O que são arquiteturas do abandono?

As arquiteturas do abandono compreendem desde edificações desabitadas, ruínas, restos de construção como também favelas, resíduos, sujeitos excluídos e tudo que até o desprendimento da matéria poderá nos levar a sentir e a pensar.
Num primeiro momento, apenas uma casa abandonada, em qualquer lugar, vizinha a tantas outras, nossa vizinha. Por ela, passamos todos os dias, caminhamos pela rua, a qual também acumula a sujeira, os restos, o capim. Tudo ao redor dessa casa, saindo pelas frestas, ruindo o reboco. A casa lar que antes abrigava uma família, agora se abre aos desabrigados, aos vagabundos, aos bandidos. Abandona-se ao bando.
Uma fábrica abandonada ou uma fábrica que abandonou muitos, uma enorme massa construída, onde o trabalho parou, mas sente-se ainda o movimento dos operários e o som das máquinas. Das máquinas enferrujadas que não produzem mais nada, apenas as carcaças envoltas em teias de aranha, recoberta por muita poeira. A poeira que entra pela boca, que resseca, que nos cega a vista, que esfuma. Fábrica abandonada por todos, mas que deixa toda a sujeira para trás, dos restos radioativos que podem provocar doenças, até os resíduos que servem de ganha pão para outros. Tudo arruinando e curando: fábrica, máquinas, resíduos, pessoas.
Todo o resíduo e entulho podem escorrer, migrar de um lugar para outro, pingar, deixar-se levar, contaminar o que não é abandonado, assim como o movimento de abandonar, de deixar alguma coisa em detrimento de outra. No edifício, a função vai embora e fica a forma abandonada.
Matar ou curar. Finito e infinito ao mesmo tempo. O tempo dos abandonos pode ser longo como o de uma ruína ou rápido como o de uma implosão. Difícil de ser medido e quantificado. Tudo pode ocorrer numa fração de segundos ou lentamente, como se não passasse de uma longa espera. Abandonar é largar a deterioração ao apodrecimento, ao mofo.
Também um resto de parede que teima em ficar de pé, que teima em permanecer. Mesmo com a chuva e o vento que lavam, dentro e fora, teimem em abatê-la. Uma ruína, um resto arruinado, não aquela ruína histórica, mas uma ruína fruto da supressão da própria história. Uma superfície arenosa e abandonada, transformada em deserto em meio à vida cotidiana das cidades.
Uma cidade é repleta de abandonos, por todos os lados, e de abandonados também. Eles estão ali perambulando pelas ruas, pelas calçadas, adentrando edifícios abandonados, encontrando-se, cara a cara conosco, Ás vezes desviamos, pulamos sobre eles, os abandonados cheiram mal, faltam-lhes dentes, e todos os objetos de consumo que tanto ansiamos.
O campo de ação das arquiteturas do abandono é amplo e, muitas vezes, caótico, abarca a matéria e a imatéria. Abandonamos materialidades, prédios, ruínas, restos, objetos, coisas, tudo o que possamos tocar, roubar, quebrar ou assassinar. Tudo muito elementar, muito óbvio.
No entanto, abandonos são também imateriais, do campo, do que não podemos mensurar. O abandono imaterial é do campo dos sentidos, dos desejos ou das sensações. Só há abandono material, porque há abandono imaterial, um se alimenta do outro. É corpo, é alma. As arquiteturas materiais do abandono podem ser as forças que nos sacodem para os abandonos imateriais. Como nas artes visuais ou na música, que atravessam nossos corpos. Abandonos também são capazes de desencarnar dos corpos arquitetônicos e habitar a fronteira, o escape, a fuligem.

Arquivos do blog

Loading...
Loading...